Material para a alfabetização de jovens e adultos estimula a participação de todas e todos

Recurso pedagógico acessível desenvolvido por educadores possibilitou acesso ao conteúdo proposto para toda a turma da EJA

Somos um grupo de educadores do CIEJA Lélia Gonzalez que participou de uma formação em 2018 sobre educação inclusiva e cultura maker, oferecida pelo Instituto Rodrigo Mendes. Como resultado da formação, desenvolvemos um projeto de construção de material pedagógico acessível para a alfabetização de turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA): a Caixa silábica.

O material foi idealizado para ser utilizado com as turmas de alfabetização dos Módulos 1 e 2, equivalentes respectivamente ao 1° e 2° ano e 3° e 4° ano do Ensino Fundamental I. As turmas da EJA são caracterizadas por um público muito heterogêneo, com idades entre 15 e 80 anos. Desta forma, consideramos que elas possuem características que são próprias dessa modalidade de ensino.

Desafio: desenvolver material sem características infantis

A barreira inicial a ser superada era justamente o desenvolvimento de materiais próprios para a educação de jovens e adultos que não possuíssem características infantis. A proposta era de que o uso desse material pudesse auxiliar a alfabetização e letramento de estudantes, estimular o acesso às tecnologias de informação e comunicação (TICs) e contribuir para a articulação dos diversos componentes curriculares e das áreas do conhecimento.

Duas senhoras negras sentadas em carteiras escolares interagem com o material pedagógico acessível Caixa silábica. Fim da descrição.

O material pedagógico acessível foi confeccionado em MDF, sendo resistente e de fácil manuseio. Ele é constituído de uma caixa sonora com 14 sílabas móveis em alto relevo, com legenda em braile, e 14 botões, que, ao serem acionados, emitem o som correspondente da sílaba.

+ Veja como fazer a caixa silábica em sua escola

Projeto alinhado aos ODS e ao Currículo da Cidade

Procuramos construí-lo de forma que seu uso fosse acessível para todos os educandos e educandas, com ou sem deficiências, do CIEJA. Por possuir recursos com diferentes linguagens, o material permite a utilização de pessoas com deficiências auditiva, visual, intelectual e com baixa mobilidade física, possibilitando ainda a ampliação de estratégias dos docentes para a aprendizagem.

Estudante, observada por professora, aponta para sílabas escritas na lousa. Escritas na lousa estão as sílabas e letras "per", "ão", "ni", "a", "de", "za", "u", "to", "res" e "gra". Fim da descrição.

Na concepção, construção e utilização do material realizamos articulações dos nossos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento aos princípios da Matriz dos Saberes do Currículo da Cidade de São Paulo e com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) em congruência com o nosso Projeto Especial de Ação (PEA).  Nosso caminho pedagógico é estimular o diálogo com a dinâmica da sociedade contemporânea de forma que nossos estudantes possam participar ativamente da transformação positiva tanto da sua realidade local, quanto dos desafios globais.

+ Conheça também as habilidades da BNCC que poder ser trabalhadas com este material

Caixa silábica na prática

O material pedagógico inclusivo foi usado em sala de aula dentro de um projeto de alfabetização interdisciplinar, a partir de músicas e paródias, envolvendo as disciplinas de Língua portuguesa, Arte, Educação Física e Informática, tendo como tema a “Cultura de Paz”, definido por meio do PEA. Os principais objetivos eram incentivar a prática da leitura; ampliar vocabulário; pesquisar músicas digitais; e expressar-se com música e dança.

Duas alunas sentadas em carteiras escolares interagem com material pedagógico acessível Caixa silábica enquanto professora, de pé, as observa. Fim da descrição.

Alguns conteúdos trabalhados, como interpretação, gênero literário, música e dança circular adaptada, entre outros, foram desenvolvidos ao longo do bimestre. Para tanto, foram utilizadas diversas estratégias como leitura; roda de conversa/discussão; pesquisas digitais na sala de informática; e espaços/recursos de educação física. Finalizamos as atividades com a utilização da caixa silábica na formação de cinco palavras que resumem a avaliação dos estudantes sobre o projeto: amizade, respeito, perdão, união e graça.

Resultados da utilização da Caixa silábica

Manuseando o material, os jovens e adultos puderam escutar o som de cada sílaba e construir palavras, frases e textos de acordo com suas hipóteses de escrita, o que estimulou a participação, o aprendizado e o acesso ao conteúdo proposto para toda a turma. Além disso, o trabalho pedagógico foi desenvolvido em duplas produtivas em que um dos estudantes foi o par avançado. Essa estratégia atendeu à diversidade da sala de aula e favoreceu a interação e a cooperação entre eles.

Dois estudantes da EJA sentados em carteiras escolares, um senhor e um jovem, interagem com material pedagógico acessível Caixa silábica. Fim da descrição.

Evidenciamos como aspecto positivo a utilização do material de forma acessível a todos, criando um ambiente de proximidade e interesse, em que todos puderam participar e experimentar. Ressaltamos que o material pedagógico acessível faz parte de um plano de aula, já que é a mediação do professor que garante a intenção pedagógica do uso do material.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: