Rede estimula parceria entre família e educadores para ampliar inclusão

Proposta estabelece diálogo e trabalho colaborativo entre professoras do AEE e da sala comum para proporcionar autonomia a estudante

Em 2019, nós – educadoras e gestoras da rede municipal de Suzano – iniciamos nossa participação no Diversa Presencial – curso de formação em educação inclusiva. Logo no início ficamos muito felizes, pois percebemos que o trabalho que desenvolvemos no nosso município estava dentro do que a formação propunha: uma perspectiva inclusiva.

 

Em sala, educador de Suzano discursa observado por grupo de estudantes do ensino fundamental e professores da rede. A maioria está de pé, enquanto duas professores estão sentadas no chão. Fim da descrição.
Educadores e estudantes em encontro do DIVERSA presencial

Na formação, levamos o caso do estudante Pedro*, de 6 anos, para ser discutido. Ele tem Transtorno do Espectro Autista (TEA) e está matriculado no 1º ano do ensino fundamental I na EMEF Antônio Marques Figueira, localizada no município de Suzano (SP).  A escola está situada na região central da cidade e atende 1.315 estudantes entre o 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Destes, 27 possuem deficiências variadas.

Pedro chegou à unidade escolar este ano, vindo de uma escola de ensino infantil. No início, mostrou-se bastante resistente ao novo ambiente: chorava e não queria ir para a aula, além de apresentar dificuldades para se relacionar com colegas e professores. Na entrada da escola, o profissional de apoio precisava utilizar vários recursos para convencê-lo a deixar a mãe e ficar.

Na classe, ficava agitado e andava pela sala, o que o impedia de concluir as atividades propostas. Era dependente do agente de apoio para ir ao banheiro, beber água, na hora de merenda e em alguns momentos em sala.

Durante o Atendimento Educacional Especializado (AEE), Pedro também mostrava bastante resistência para participar das atividades propostas na sala de recursos multifuncionais (SRM).

Leia mais
+ DIVERSA presencial: um curso de diálogos e inclusão
+ O papel dos professores de AEE na criação de uma cultura inclusiva nas escolas
+ Profissional de apoio na escola: quando ele é necessário?

Cultura de colaboração

A partir das discussões vivenciadas no DIVERSA presencial, desenvolvemos um plano pedagógico para mudar essa situação. O método de ação reuniu toda a gestão escolar, como diretoria, coordenação e corpo docente, do AEE e da sala de aula comum, além da família do estudante.

Conversamos com os professores, profissionais de apoio e com a família do aluno. O intuito era mostrar as potencialidades do estudante e incentivar o diálogo permanente entre todos os atores, de forma a garantir mais condições de desenvolvimento e autonomia a Pedro. Com isso, foram propostas modificações na rotina do estudante, já que havia um histórico de infantilização nos cuidados em casa.

 

Em sala de aula, educadora aponta para painel com fotos de Pedro observada por três pessoas sentadas ao redor de uma mesa. Ao fundo, lousa escolar com calendário das atividades da semana. Fim da descrição.
Reunião de planejamento pedagógico entre educadores e a família de Pedro

Além disso, inicialmente, a professora da sala comum havia solicitado que ele fosse acompanhado durante todo o período de aula, mas aos poucos foi retirando o profissional de apoio da sala, dando mais independência a Pedro. As rotinas domiciliar e escolar foram alinhadas para que o estudante pudesse se desenvolver integralmente.

Conheça outras experiências inspiradoras
+ Painel de votação minimiza conflitos e estimula autonomia de estudantes
+ Jogo da trilha interativo promove participação e autonomia de estudante com deficiência visual

Resultados na prática

Após as atividades propostas, Pedro apresentou alguns avanços, como maior autonomia e participação em sala de aula, bem como interesse pelas atividades pedagógicas e rotina da escola.

Foi constatada a importância do envolvimento da família para o sucesso do processo de ensino e aprendizagem e para o desenvolvimento do estudante. Por meio da relação de confiança construída com a família, a postura e a conduta do estudante no ambiente domiciliar foram modificadas, impactando sua vivência escolar.

O conhecimento construído no DIVERSA presencial fortaleceu algumas ações da equipe escolar, ajudando a desmistificar o tema da educação inclusiva. Algumas discussões e reflexões geraram mudanças na forma de pensar da equipe. Os saberes e vivências produzidos no curso deixaram marcas positivas e reforçaram as práticas que nosso município já vem trabalhando. Mas temos consciência de que o caminho é longo e temos muito a alcançar ainda.

 

Educadores de Suzano sentados em carteiras olham para frente concentrados. Eles vestem crachás com os dizeres "DIVERSA presencial". Fim da descrição.
Educadores de Suzano em encontro do DIVERSA presencial

* nome fictício

Este relato de experiência é fruto da participação dos autores na edição 2019 do DIVERSA Presencial  – formação para profissionais envolvidos com o processo de escolarização de estudantes público-alvo da educação especial em escolas comuns, desenvolvido pelo Instituto Rodrigo Mendes em parceria com a Fundação Volkswagen. Por meio de parcerias com secretarias municipais de educação, o projeto tem como objetivo contribuir com a ampliação de conhecimentos sobre a educação inclusiva a partir de situações reais e desafiadoras escolhidas pelos participantes.

 

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: